Sua pele, seu ego. Concorda?

Olá.
Um prazer ter você por aqui.

Na primeira postagem deste blog quero dizer que vou trazer ideias, experiências e questionamentos sobre aspectos dos meus livros “Obesidade infantil: aspectos emocionais e vínculo mãe/filho” (Ed Revinter) e “Obesidade e sofrimento psíquico: realidade, conscientização e prevenção” (Ed Fap-Unifesp).

Também preciso deixar claro que para tentar expressar minhas formas de pensar, criarei histórias e cenas imaginárias. Portanto, os exemplos sobre as situações que mencionarei em minha postagens serão fictícios.

Por quê escolhi falar de “obesidade”?

Tenho recebido em meu consultório muitas pessoas que estão em sofrimento – aparentemente pela questão do peso, sobrepeso, obesidade e outras também pelo corpo magro que se recusa a engordar. Também me procuram aquelas com outros tipos de sofrimento que nem sempre são ligados diretamente ao físico.

Mas o corpo vem em cena – e encena, muitas vezes, tudo que a mente gostaria de pensar, mas não pensa e, por não poder pensar, atua.

Come-se muito, sem se perceber, sem se sentir, sem poder parar.
Também come-se muito pouco; não há fome, ou ela passa desapercebida e quando se vai ver…passaram tantas horas e nada foi ingerido…

Em meus livros comentei bastante sobre o que percebi em muitos anos de estudo em atendimentos com jovens, mulheres, homens, crianças e adultos, mães e filhos, casais e famílias, sobre alguns modos de funcionamento psíquico presente nos casos de obesidade, mas não de exclusividade destes.

Tenho estudado este e outros temas relacionados desde 2000 até hoje.
Durante este percurso fiz Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado, na Universidade Federal de São Paulo/Unifesp, e permaneço aprofundando e atualizando meus conhecimentos, percepções e emoções. 

Muito do que eu pensava quando os escrevi, hoje não penso mais e em alguns casos penso muito diferente. Outras ideias permanecem.
Este é um dos tópicos que acho importante salientar – poder sempre rever e reeditar ideias, pensamentos, experiências, sentimentos e compartilhar esta vivência e aprendizado.

Ter a chance de ajudar, e ajudar – de fato – me deixa muito feliz.

Também vale ressaltar que, com certeza, este tema vai se ampliar muito e será inevitável, tanto quanto prazeroso, aprofundar e enriquecer os assuntos, pois nada finda no “peso do corpo”, muito pelo contrário…é onde tudo começa…

Pois, como dizia o velho e bom Freud, em “O Ego e o Id”: “…o ego é antes de tudo um ego corporal e sua estruturação tem o corpo como veículo” (Freud, 1923, p 40).

Freud coloca que o ego resulta das sensações que se originam na superfície do corpo … a pele ensina o ego a pensar.

Imaginem que as experiências que tivemos e sentimos através dos cuidados com nosso corpo foram nos ensinando a pensar… Isto faz sentido para você?

E como este texto é apenas o início, volto depois para continuar.

Até breve!

Compartilhe!

Outros artigos que podem te interessar

Como vai seu relacionamento com seu corpo?

Olá, caro leitor! Um prazer ter você por aqui. Hoje gostaria de convidar você a pensar sobre sua relação com seu corpo. Mas não nos moldes dos padrões sociais, do tipo – como está seu peso, se você está dentro dos padrões estéticos ditados pela mídia, nada disso… Meu convite vai na linha de investigar

Saul Albert Mental Health - Patrícia Spada Psicóloga na Vila Olímpia São Paulo

Como manter a saúde mental em tempos de quarentena?

Não é novidade para ninguém que o distanciamento social, o isolamento e a quarentena podem ser bem difíceis para algumas pessoas após algum tempo. Afinal, temos de abrir mão de vários elementos com os quais estamos acostumados, a fim de protegermos nossa saúde. Bom, o problema é que o afastamento das tarefas diárias e das

Terror Notruno - Pesadelo - Patrícia Spada Psicóloga na Vila Olímpia São Paulo

Terror Noturno – o temido distúrbio do sono

Quem nunca acordou, mas não conseguiu se mexer, ou sentiu que alguma entidade sombria o estava observando? Essas são características comuns do Terror Noturno. Longe do sobrenatural, o Terror Noturno em nada tem a ver com ser observado por entidades malignas, invasores sorrateiros ou alienígenas no quarto. Embora muitas pessoas descrevam essas situações, é algo

Assine nossa Newsletter

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *